*/
  • Posted by : Brasil é hora de acordar quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

    A defesa do ex-tesoureiro do PL (atual PR) Jacinto Lamas apresentou nesta terça-feira (21) uma petição para parcelar o pagamento da multa de R$ 370 mil em 180 vezes, o que corresponde a 15 anos.
    A multa é parte da pena recebida por ele no processo do mensalão. Caberá ao juiz da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal aceitar o pedido ou encaminhá-lo para a Procuradoria da Fazenda.
    De acordo com seu advogado, Délio Lins e Silva, o longo prazo pedido se justifica porque Lamas não tem recursos suficientes para pagar a multa e não possui nenhum bem. "A única fonte de renda da família vem dele", explicou. Se a Justiça aceitar o parcelamento, Lamas deverá pagar cerca de R$ 2.000 por mês, mas o valor deverá ser reajustado ao longo dos anos.
    Lamas é aposentado pela Câmara dos Deputados, e desde ontem está trabalhando como assistente administrativo na empresa Mísula Engenharia, em Brasília. A empresa também atua no setor imobiliário da capital.
    Alan Marques - 27.out.2005/Folhapress
    Jacinto Lamas tem que pagar multa de R$ 270 mil
    Jacinto Lamas começou trabalhar como assistente administrativo em uma empresa de engenharia
    De acordo com a Lei de Execução Penal, o pagamento da multa pode ser feito em prestações mensais, iguais e sucessivas. Porém, a legislação não estabelece um número mínimo ou máximo de parcelas e determina apenas, que antes do juiz decidir sobre o pedido de parcelamento, ele pode determinar diligências para verificar a real situação econômica do condenado e, ouvido o Ministério Público, fixa o número de prestações.
    A lei também determina que se o condenado atrasar o pagamento ou melhorar a sua situação financeira no decorrer do tempo, o juiz pode revogar o benefício e determinar o pagamento integral da multa.

    TRABALHO
    No novo emprego, Lamas receberá o salário de R$1.200 para desempenhar tarefas como receber correspondências, atender telefonemas e esclarecer dúvidas sobre a parte financeira, coordenar compras e manter organizado arquivos e cadastros da empresa. Além do salário, Lamas receberá vale transporte e R$ 11 por dia de vale alimentação.
    Lamas cumpre cinco anos de prisão em regime semiaberto. Ele trabalha das 8h às 18h e volta para o Centro de Progressão Penitenciária (CPP) a noite para dormir. A cada 15 dias ele poderá passar o fim de semana com a família, em Brasília, mas não poderá sair de casa para passeios ou compromissos.

  • Ocorreu um erro neste gadget

    Copyright © 2014 - Brasil, é hora de Acordar - Todos os direitos reservados

    Brasil, é hora de acordar Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan